domingo, 1 de março de 2009

Projecionista de uma cinemateca

A fruição de uma obra audiovisual em todo o seu potencial depende essencialmente de uma correta projeção. Entretanto, além dos possíveis problemas do próprio material projetado (sujeito a riscos, sujeira, perda de fotogramas, deterioração da cor, abaulamento etc.), mesmo materiais em bom estado podem ser extremamente prejudicados por problemas de projeção, tais como velocidade incorreta (responsável por fazer com que os filmes mudos pareçam acelerados), erros na colocação da janela (cortando a cabeça dos atores ou incluindo, equivocadamente, os microfones boom na imagem), escolha equivocada do sistema de som (aconteceu comigo na primeira meia hora da sessão de Tropa de elite no UCI da Barra da Tijuca), lentes erradas (não ocupando toda a dimensão da tela) ou, principalmente, os malditos e recorrentes problemas com o foco. Geralmente somos obrigados a escolher entre ver com nitidez a imagem ou as legendas. Este artigo, publicado no Journal of Film Preservation, n. 67, de 2004, enumera as funções e deveres de um projecionista de uma cinemateca, que deve ser escolhido dentro os mais qualificados de sua área, uma vez que tem o comprometimento com a integridade física dos materiais (frequentemente raros ou únicos) e com uma projeção de qualidade e obediente aos diferentes padrões (de bitola, velocidade, formato, tipo de som etc.) correspondentes à variedade de materiais depositados nos arquivos de filmes e exibidos em suas salas de cinema.

Projecionista de uma cinemateca (O caso da Cinemateca do Quebec)

François Auger
traduzido por Fausto Douglas Correa Júnior, com revisão de Rafael de Luna

O trabalho do projecionista está no coração da vida de uma cinemateca e, do ponto de vista dos problemas que surgem no horizonte (desaparição do suporte em película, nova valorização das cópias, etc.) sua importância será ainda maior nos anos que virão. O presente dossiê se apresenta então essencialmente como um documento de trabalho. A primeira parte foi elaborada conjuntamente pela direção da Cinemateca do Quebec e o sindicato de seus empregados, no momento da negociação de um novo contrato coletivo de trabalho, na primavera de 2002. A segunda parte foi originalmente preparada em 1982 por François Auger, diretor de Serviços Técnicos da Cinemateca, em colaboração com Robert Daudelin, então diretor geral. O texto foi continuamente alterado em resposta a novas necessidades, em vista das modificações técnicas na cabine de projeção. Em sua forma atual, este texto data de 1998.

A - Cargo (tal como descreve o anexo do contrato coletivo de trabalho dos empregados da Cinemateca do Quebec)

Descrição do cargo

  • O projecionista prepara os filmes para a projeção, os revisa, os repara e os emenda, segundo os padrões arquivísticos da Cinemateca;
  • Projeta os filmes em todos os formatos e padrões usados pela Cinemateca e realiza sua desmontagem após a projeção.
  • Fornece informações técnicas sobre o estado das cópias projetadas e as encaminha a quem é de direito
  • Assegura procedimentos preventivos, efetua reparos emergência nos equipamentos técnicos e instrumentos de trabalho e os conserta quando possível.
  • Efetua testes periódicos com o objetivo de assegurar a qualidade das projeções.
  • Havendo necessidade, pesquisa e identifica os trechos de filmes solicitados para projeções especiais, instala e testa o equipamento audiovisual complementar.
  • Realiza a instalação, a calibragem e a reparação de equipamentos técnicos a pedido do Diretor de Serviços Técnicos; e define e planeja as necessidades materiais e zela por seu funcionamento.
  • Treina novos projecionistas.
  • Complementa todas as outras tarefas conexas sob a direção ou solicitação do Diretor de Serviços Técnicos

Qualificação requisitada

1. Diploma Secundário
2. Certificado de qualificação, categoria operador de máquinas cinematográficas.
3. Três anos de experiências em projeção cinematográfica ou equivalente.
4. Habilidade técnica e mecânica e sentido de método e de precisão.
5. Bom conhecimento do francês e conhecimento instrumental do inglês.
6. Aptidão para se comunicar com o público.

B. As tarefas (tais como foram descritas no Caderno de Atribuições entregues aos projecionistas no momento de seu admissão)

O projecionista é muito mais do que um simples técnico: é a pessoa responsável pela cabine de projeção e, conseqüentemente, pela qualidade das projeções da Cinemateca. Esta responsabilidade é múltipla; nós podemos reparti-la segundo as seguintes categorias:

1 – Tarefas cotidianas :

  • Preparação (inspeção, reparação, montagem) dos filmes;
  • Testes, se necessário (formato da imagem, velocidade da projeção, som, etc.);
  • Montagem dos projetores (trilhos, roletes)
  • Fechamento das cortinas
  • Manutenção das lentes
  • Desmontagem dos filmes após as sessões
  • Redação de ficha técnica para cada filme projetado

2 – Tarefas semanais

  • Manutenção do equipamento (lente de imagem; lente de som; lâmpada de projeção;
  • Lubrificação: cabeça magnética do projetor 16mm, roletes dos 16mm; bobinas receptoras do projetor 35mm)
  • Limpeza dos vidros da cabine
  • Correção e comentário do "cue sheet" que deve retornar ao diretor de programação ao final de cada semana.

3 - Tarefas mensais:

  • Testes de estabilidade
  • Testes de som
  • Repartição das luzes
  • Limpeza dos espelhos das lanternas (condensador)

4 - Tarefas periódicas

  • Troca do óleo dos projetores 16 mm (uma vez a cada seis meses)
  • Rotação das lâmpadas de projeção (uma ver a cada seis meses.
  • Arrumação e manutenção geral da cabine (aquisição de peças e materiais necessários ao bom funcionamento da cabine de projeção, arrumação, etc.)
  • Reparações menores
  • Verificação do sistema de som público (Sistema de P.A)
  • Etiquetar os estojos de filmes da coleção da cinemateca.

5 - Preparação e manutenção dos filmes:

  • Todo filme da coleção da Cinemateca deve retornar aos setores de conservação corretamente "rebobinados" (emulsão para o lado externo);
  • Todo filme deve retornar aos setores de conservação em perfeito estado: reparos feitos corretamente, perfurações reparadas (se danificadas), pontas colocadas segundo as normas, etc.;
  • Todo filme deve retornar em seu invólucro de origem;
  • Uma vez "rebobinado", o filme deve ser preso por uma fita adesiva; ao contrário, nenhuma fita adesiva deve permanecer no meio do filme;
  • As cópias de projeção de base acetato devem ser expedidas segundo as diretrizes da FIAF (junho 1982) anexas;
  • Salvo exceções, todo filme destinado a uma projeção pública deve ser verificado 48 horas antes de sua projeção;
  • Em caso algum se deve cortar imagem – menos ainda para deixar uma ponta pronta para emenda.
  • Se as perfurações estiverem danificadas, é preciso repará-las evitando que a fita adesiva cubra a imagem;
  • É preciso limpar o filme, após cada reparação, ou cada nova emenda;
  • Se uma emenda estiver "frouxa", é preciso refazê-la;
  • É preciso evitar cortar a imagem, mesmo nos casos em que o filme se rompe;
  • É preciso sempre se assegurar que a fita adesiva utilizada em uma reparação não ultrapasse as laterais do filme;
  • Em caso algum podemos utilizar o "masking tape" como reparador ou para outros fins: todo "masking tape" deve ser retirado do filme ou das pontas antes de uma projeção.
  • Toda ponta duvidosa (incompleta, em mau-estado, suja) deve ser trocada, inclusive as pontas de projeção (ex: se faltam quadros nas pontas SMPTE, se as perfurações estão danificadas e não reparáveis, se houver sujeira ou riscos excessivos etc.)
  • Os reparos magnéticos não devem jamais ser visíveis na imagem.
  • Os filmes devem ser preparados de modo que qualquer outro projecionistas da Cinemateca possa projeta-los sem problemas.

6 – Formato da imagem, pista sonora e velocidade de projeção:

  • O projecionista é responsável pelo formato da imagem. Em caso de dúvida, ele deve consultar os responsáveis pela programação. Afim de evitar qualquer tipo de erro, o formato dito mudo (full screen) seré identificado segundo sua realidade física de 1.33 ; pelas mesmas razões o formato sonoro (acadêmico) será identificado como 1.37.
  • O projecionista é responsável pela identificação do tipo de pista sonora: DTS, Dolby Digital, Dolby SR, Dolby A ou mono, etc. Estas informações devem estar na etiqueta do estojo do filme e ser transmitida pelo setor de catalogação.
  • Mesmo em casos onde há problemas com a pista sonora, os níveis sonoros jamais devem ser mais altos que os normais.
  • O sistema Dolby Digital deve estar obrigatoriamente no «mudo» no momento de uso do projetor 16mm.
  • Se a informação não lhe foi comunicada, o projecionista determina a velocidade de projeção dos filmes mudos, consultando, havendo necessidade, o diretor de programação.
  • Os testes de projeção devem ser feitos no mínimo trinta minutos antes das sessões públicas.

7- Caixas metálicas:

  • Toda lata metálica (dita ‘de laboratório') danificada, deve ser subistituida imediatamente. As latas devem estar sempre em bom estado, tanto no interior quanto no exterior: na medida do possível, toda etiqueta e toda grafia em caneta de feltro devem ser retiradas. Somente a etiqueta da Cinemateca deve ser colocada nas caixas da coleção.

8 - Propriedade, segurança, manutenção, etc.:

  • A porta da cabine deve estar fechada todo o tempo
  • O sistema de som deve estar na posição ‘mudo’ entre as sessões.
  • As cortinas da tela devem permanecer fechadas entre as sessões.
  • Ao fim de cada dia, as lentes dos projetores 35mm devem ser guardados no armário metálico que lhe são reservadas.
  • Os microfones devem ser guardados neste mesmo armário;
  • Os projecionistas devem oferecer sua colaboração aos técnicos externos que asseguram a manutenção do equipamento.
  • É estritamente proibido beber e comer nas cabines de projeção.
  • O projecionista não pode jamais se ausentar da cabine durante a projeção.
  • O projecionista não deve jamais se dirigir aos espectadores da sala: ele se comunica diretamente ao Diretor de Serviços Técnicos.
  • Todo incidente na projeção (filme rompido, fotograma queimado, inversão de bobina, etc.) deve ser imediatamente comunicado ao Diretor Geral.

4 comentários:

Armando Maynard disse...

Caro Rafael, foi com grande satisfação que encontrei o seu blog. Muito me preocupa também a velocidade tecnológica que vem alcançando o cinema, fazendo com que todos seus acessórios desapareçam cada vez mais rápido. Carretéis, películas, enroladeiras, gongos, tudo isso terminará em desuso. Quando jovem uma das diversões que mais gostava era de projetar filmes, fazendo a noite sessões de cinema no quintal de minha casa, com um projetor de 16mm., que conservo até hoje, juntamente com alguns filmes. No intuito de preservar a memória das antigas salas e todo maquinário e acessório que fazem parte da História do Cinema, é que criei o blog "Fetiche de Cinéfilo", Aguardo sua visita. Um abraço, Armando.[fetichedecinefilo.blogspot.com]

Rafael de Luna disse...

Caro Armando, obrigado pelo seu comentário no blog. Entrei no fetiche de cinéfilo e fiquei muito impressionado pelas informações que você colocou. Parabéns! Vou recomendá-lo para meus alunos.

Um abraço,

Rafael

brunobm88 disse...

Olá Rafael.
Trabalho como projecionista há poucos meses e achei muito interessante o artigo. Tenho muito o que aprender ainda...
Tenho uma dúvida: você sabe qual sindicato representa essa classe no Paraná? Perguntei ao Sindcine, e ele disseram que não a representavam e não souberam indicar corretamente o sindicato.
Obrigado!

Rafael de Luna disse...

Olá, Bruno,
Infelizmente não sei te responder. Entre em contato com o sindicato de operadores cinematográficos do RJ que talvez eles possam te ajudar. Um abraço,
Rafael