sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Exposições do LUPA no Festival de Cinema do BRICS

O Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual da UFF - LUPA - esteve diretamente envolvido em duas das atividades do 4. Festival de Cinema do BRICS, organizado pelo Departamento de Cinema e Vídeo da UFF: as exposições de equipamentos históricos de cinema "Projetores", no Reserva Cultural, e "A tecnologia do cinema: do amador ao profissional", no saguão de entrada da Reitoria da UFF, ambas em Niterói.
A exposição "Projetores" foi aberta dia 30/09 e a exposição "A tecnologia do cinema" dia 2/10. Ambas estarão abertas gratuitamente para visitação até o final do festival, dia 9/10.
Como o último post do blog foi sobre a ausência de museus de cinema no Brasil, essas duas exposições temporárias (fruto do trabalho ainda em seu início do LUPA) não apenas compensam parcialmente essa escassez, como prometem gerar mais frutos no futuro.
Exposição "Projetores"

Módulo Cinema profissional

Módulo cinema amador


quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Museus audiovisuais, parte 3 - MIS Camboriú

Foto tirada por mim no Deusches Museum
Sempre me interessei pelos museus audiovisuais, aquelas instituições geralmente dedicadas a preservar e expor artefatos relacionados, sobretudo, às tecnologias de registro e reprodução de sons e imagens em movimento. São instituições que, frequentemente, abarcam tecnologias antigas e novas, misturando o analógico e o digital. Em posts anteriores, falei do Living Computer Museum, de Seattle, que visitei em 2014, dedicado à história dos hardwares e softwares de computadores, e também,num segundo post, por conta da exposição que visitei no Rio de Janeiro, "A Era dos Games", em 2018, mencionei o Musee Mecanique, em San Francisco, que conheci também em 2014, discutindo a preservação dos videogames em seus joysticks originais, e o amplo universo, que o cinema se inseriu, dos "coin-in-the-slot-machines" ou arcades. Podem ser chamados também de museus, embora restritos geralmente a uma única obra, espaços que ainda permitam a experiência de visitar um panorama ou diorama original.
Entretanto, o mais comum em museus audiovisuais é a exposição de câmeras, projetores e outros equipamentos relacionados ao cinema, assim como aparatos óticos e fotográficos relacionados ao que se chamava de "pré-cinema". É o caso de alguns conhecidos museus, com belos acervos, como o Museum of the Moving Image, em Nova York, que pude visitar antes e depois de uma enorme renovação. Alguns museus estão ligados a cinematecas, como Le Musée de la Cinématèque, da Cinemateca Francesca e sua fantástica exposição permanente, que inclui tanto belas peças da coleção Will Day, quanto raridades reunidas por Langlois, como figurinos e objetos cenográficos de filmes como Metropolis ou Gabinete do Dr. Caligari. Há também belas coleções em museus mais amplos, como o Deutsches Museum, museu da ciência e tecnologia de Munique, onde estive em 2013.
Exposição "Galáxia(s) de cinema" no MAM-RJ
Às vezes são também pequenas instituições independentes, como o incrível Museu del Cinema, na pequena cidade espanhola de Girona, que conheci em 2007.
No Brasil, porém, infelizmente não tínhamos até recentemente um bom museu audiovisual. Nossos MIS's (Museus da Imagem e do Som) são mais próximos a centros culturais ou arquivos de filmes, às vezes possuindo acervos mais ligados à música, como no MIS-RJ. Nossas cinematecas, a rigor, se dedicam mais a preservar filmes do que artefatos, como é o caso da Cinemateca Brasileira. A Cinemateca do MAM-RJ, apesar das dificuldades, tem realizado exposições eventuais, reunindo peças de seu acervo e de acervos particulares, como na recente exposição Galáxia(s) de Cinema, em cartaz até o início deste ano.
A verdade é que os principais acervos de artefatos audiovisuais se encontram nas mãos de colecionadores particulares, como Ivo Raposo , que depois de inaugurar sua réplica do Metro Tijuca em seu sítio em Conservatória (RJ), mais recentemente passou a expor também parte de seu enorme acervo de projetores e outros equipamentos. Não visitei ainda, mas há também o Museu de Cinema Carlos Scalla, em Muriaé (MG). Há outros ainda, em diferentes partes do país.
Assim, já há algum tempo que acompanho notícias sobre a construção do Museu da Imagem e do Som de Balneário Camboriú, como postei aqui mesmo no blog em 2013. Inaugurado há menos de um ano, em 2018, nessas férias de julho/agosto finalmente tive a oportunidade de viajar para Santa Catarina e conhecer o museu, criado por Fernando Delatorre, exibidor da cidade e dono de todo o acervo exposto.
Pathé Kok 28mm
Além de empresário e investidor, Delatorre era exibidor, dono do Cinerama Delatorre, Cine Itália e Autocine, na cidade de Balneário Camboriú, negócio iniciado pelo seu pai, Eduardo Delatorre. Hoje todas as salas estão fechadas. O cine Itália, porém, se transformou no Centro de Eventos Itália (e recebe congressos, festas e formaturas). Em frente a ele, Fernando Delatorre ergueu um prédio de seis andares especialmente para receber a coleção de equipamentos que reuniu ao longo de décadas, dando origem ao Museu da Imagem e do Som de Balneário Camboriú, museu privado sem fins lucrativos.
Fonógrafo
Rádio de galena
O museu cobra ingresso de R$ 20,00 (dez a meia entrada para professores e estudantes) e reune um acervo de cinema, rádio, disco, filatelia, numismática e outros assuntos de interesse do colecionador. Grande parte da coleção, porém, dividida pelos diferentes andares do prédio, é dedicada a cinema. Na coleção, encontramos belos exemplares dos tipos mais comuns de artefatos encontrados em geral em museus de cinema: lanternas mágicas, câmeras e projetores antigos (destaque para o projetor Pathé Kok 28mm), tanto de cinema profissional, quanto amador (ótimas peças de Pathé Baby 9,5mm e dezenas de projetores Super 8mm e 16mm).
O museu conta com monitores e informações impressas, escritas em textos indicados para um público mais geral e orientados pelo próprio Delatorre. Seria interessante uma aliança com pesquisadores e acadêmicos para gerar pesquisas e materiais informativos mais aprofundos e precisos.
Há peças muito boas, que são muito difíceis de encontrar no Brasil, apesar de obrigatórias em qualquer museu audiovisual do exterior, como lanternas mágicas em caixas originais e suas devidas placas, ou alguns dos primeiros aparelhos que mostram a continuidade da lanterna mágica para o cinema, como projetores que basicamente acrescentavam manivelas, obturadores e carretéis às lentes e fontes luminosas das antigas lanternas.
O acervo relacionado ao som também é muito bom, com tecnologias obrigatórias bem representadas, como o fonógrafo de Edison, com seus cilindros de cera. Eu, por exemplo, apesar de sempre ler sobre o assunto, nunca tinha visto pessoalmente um rádio de galena, aparelho improvisado e caseiro que era a forma que a maior parte das pessoas, sem recursos para comprar os então caros aparelhos, ouvia rádio nos anos 1920 e 1930 no Brasil.
Muias peças, especialmente os projetores 35mm de maior porte, vieram dos próprios cinemas de Delatorre. Destaque para o Cinemeccanica 35mm/70mm, em perfeitas condições, utilizado no Cinerama Delatorre (que, portanto, não tinha o sistema de três projeções original do Cinerama, mas projetava em bitola 70mm), que está em exposição já no saguão de entrada do museu.
Inteligentemente, a coleção do museu chega até o digital, com uma curiosa e divertida amostra de telefones portáteis (como eram chamados antes da popularização da palavra "celular"), além de disquetes, flop discs e uma bela peça: o primeiro computador utilizado pela prefeitura de Camboriú.


Por fim, apesar de não ser um museu muito interativo, percebe-se o esforço nessa direção. Meus filhos curtiram, por exemplo, poderem escrever pela primeira vez na vida deles em uma, hoje em dia, "antiquíssima" máquina de escrever. Há também dois auditórios, um deles projetando continuamente filmes de Charles Chaplin. Afinal, é um museu não só de um típico colecionador, mas também de um típico fã de cinema. O museu ainda não tem uma taxa alta de visitação - compreensível numa cidade frequentada por certa "elite", sobretudo no verão, quando sua população se multiplica -, mas é uma parada obrigatória para qualquer cinéfilo ou cinemeiro. 
Antônio curtindo a visita dele ao MIS

segunda-feira, 25 de março de 2019

Curso de Preservação e Restauração no México

Uma ótima oportunidade para quem tiver condições: a versão recente do Curso de Verão da FIAF (Federação Internacional de Arquivos de Filmes) vai ocorrer no México, entre 22 e 26 de outubro de 2019. Veja as informações aqui!